AS BASES DA DOUTRINA ESPIRITA

A Doutrina Espírita fundamenta-se nos seguintes princípios:

*  na existência  de Deus;

* na existência e imortalidade do Espírito, compreendido como individualidade inteligente da Criação Divina;

* na defesa da Reencarnação, como o mecanismo natural de aperfeiçoamento dos Espíritos;

* na possibilidade de comunicação entre os espíritos encarnados ("vivos") e os espíritos desencarnados ("mortos"), através da mediunidade;

na pluralidade dos mundos habitados. A Terra não seria o único planeta com vida inteligente do universo. 

FUNDAMENTOS (base, alicerce) e FINALIDADES (propósito, objetivo, alvo) DA REENCARNAÇÃO

”Nascer, Morrer, Renascer ainda, Progredir sempre, tal é a Lei” - Allan Kardec

A Reencarnação funda-se na justiça divina que tem como alvo dar ao Espírito a chance de se melhorar.

Na questão 171 de O Livro dos Espíritos encontramos:

Em que se funda o dogma da reencarnação?

“Na justiça de Deus e na revelação, pois incessantemente repetimos: o bom pai deixa sempre aberta a seus filhos uma porta para o arrependimento. Não te diz a razão que seria injusto privar para sempre da felicidade eterna todos aqueles de quem não dependeu o melhorarem-se? Não são filhos de Deus todos os homens? Só entre os egoístas se encontram a iniqüidade, o ódio implacável e os castigos sem remissão.”

Ela corresponde à ideia que formamos da justiça de Deus para com os homens que pode explicar o futuro e firmar esperanças, pois oferece meios para se resgatar erros por novas provações.

Desta forma coloca cada existência como escola sempre evolutiva para nosso crescimento enquanto Espírito e nos ajuda a entender melhor as diferenças.

A cada renascimento estaremos mais preparados para as provas e as aceitaremos melhor de acordo com nosso crescimento moral.
 

FINALIDADE DA REENCARNAÇÃO

A encarnação é uma imposição de Deus aos espíritos. Deus nada faz inútil ou mau. Faz-nos encarnar com o objetivo de levar-nos à perfeição.

Não que nos haja criado imperfeitos, defeituosos.

Criou-nos como à semente, que não é defeituosa, mas ainda não está desenvolvida, terá de germinar, tornar-se planta, para afinal florescer e dar frutos.

Assim, os espíritos recebem de Deus um potencial intelecto-moral basicamente igual, que devem desenvolver pelo seu próprio esforço para merecer usufruir os resultados. A cada um segundo as suas obras.

Quando reencarna, cumpre o ser inteligente determinado desígnio divino no mundo terreno e, ao mesmo tempo, progride, desenvolve-se intelectual e moralmente, rumo a um aperfeiçoamento crescente que lhe permitirá usufruir mais e melhor da vida universal e nela agir também mais e melhor, constituindo esse resultado o seu divino salário. Enquanto concorre para a obra geral, ele próprio se adianta. 

As finalidades da encarnação ou reencarnação podem ser:

Expiação - Expiar significa remir, resgatar, pagar. Neste sentido, é que se lê no ESE, cap. III n.° 13: "Deus os colocou num mundo ingrato, para expiarem suas faltas, através de um trabalho penoso e das misérias da vida, até que se façam merecedores de passar para um mundo mais feliz."
 
A expiação, em sentido estrito, consiste em o homem sofrer aquilo que fez os outros sofrerem, abrangendo sofrimentos físicos e morais, seja na vida corporal, seja na vida espiritual.
 
As expiações do passado apagam as faltas e purificam os Espíritos, quando bem suportadas.

2) Prova - Em sentido amplo, cada nova existência corporal é  uma prova para o Espírito (LE, 166 e 166a). Ele aperfeiçoa-se, enveredando pelo caminho da evolução.
 
Esclarece o ESE, cap. VI item 5: "Crede e orai! Porque a morte é a ressurreição e a vida é a prova escolhida, durante a qual vossas virtudes cultivadas devem crescer e desenvolver-se como o cedro."
 
A prova, às vezes, confunde-se com a expiação, mas nem todo sofrimento é indicio de uma determinada falta. Trata-se freqüentemente, de simples provas escolhidas pelo Espírito, para acabar a sua purificação e acelerar o seu adiantamento. Assim, a expiação serve sempre de provas, mas a prova nem sempre é uma expiação. (ESE, cap.V item 9)
 
Ainda, deve-se observar que a prova não tem por fim esclarecer a Deus sobre o mérito do homem, porque Deus sabe perfeitamente o que ele vale, mas deixa ao homem toda a responsabilidade da sua ação, uma vez que ele tem a liberdade de fazer ou não fazer." (LE, 871) Podem-se observar outros exemplos no "O Livro dos Espíritos", questões 210 e 230 
 
 
3) Missão - A missão é uma tarefa a ser cumprida pelo Espírito encarnado. Lê-se no LE, 573, que cada um tem a sua missão neste mundo, porque cada um pode ser útil em algum sentido e que as missões são mais ou menos gerais e importantes. Aquele que cultiva a terra cumpre uma missão, como aquele que governa ou aquele que instrui. "A importância das missões está em relação com a capacidade e a elevação do Espírito." (LE, 571)
 
Em sentido particular, cada Espírito desempenha tarefas especiais numa ou noutra encarnação, neste ou naquele mundo.
 
Têm-se, assim, a missão dos pais (LE, 582 e ESE, cap. XIV item 9); a missão dos conquistadores (LE, 584), dos homens de ciência, dos homens que desempenham na Terra missões de paz e amor, dos homens que lutam pelas reformas sociais.
 
Outros exemplos são propiciados pelo LE, 175, 178, 208, 577 e 622. 
 
4) Cooperação na Obra do Criador - "A ação dos seres corpóreos é necessária à marcha do Universo, comenta Kardec, LE, 132.
 
Através do trabalho, os homens colaboram com os demais Espíritos na obra da criação. "Pelo trabalho inteligente que o Espírito opera sobre a matéria, em sua própria vantagem, ele auxilia a transformação e o progresso material do globo no qual habita; é assim que, progredindo, ele auxilia a obra do Criador, de quem é um agente inconsciente." (A Gênese, cap. XI item 24)
 
 
5) Ajudar a Desenvolver a Inteligência - Já se viu que a encarnação, pela atividade obrigatória do trabalho que exige do Espírito, permite o seu progresso intelectual.
 
"Na infância da Humanidade, o homem só aplica sua inteligência na procura de alimentos, dos meios de preservar-se das intempéries e de se defender dos inimigos." "O desejo constante de melhorar... o impele à pesquisa dos meios de melhorar sua situação, levando-o às descobertas, às invenções, ao aperfeiçoamento da ciência. Graças às suas pesquisas, sua inteligência se desenvolve, sua moral se depura. "É assim que o homem passa da selvageria à civilização." (ESE, cap. XXV item 2)
 
A encarnação ou reencarnação tem outras finalidades específicas para este ou aquele Espírito, como por exemplo:
 
Restabelecimento do Equilíbrio Mental - Pelo esquecimento do passado, decorrente de bloqueio mental provocado pela matéria, permite-se ao Espírito restabelecer a harmonia vibratória com outros, em nova vida. 
 
São os reencontros com um inimigo no seio da família consangüínea . 
Expiação ou prova para uns e restabelecimento do equilíbrio mental para outros.

“Uma só existência corporal é insuficiente para o Espírito adquirir todo bem que lhe falta e eliminar o mal que lhe sobra (...)Para cada nova existência de permeio à matéria, entra o Espírito com o cabedal adquirido nas anteriores, em aptidões, conhecimentos intuitivos, inteligência e moralidade. Cada existência é assim um passo avante no caminho do progresso”. O Céu e o Inferno- item 9.

“(...) o estado corporal é transitório e passageiro. É no estado espiritual que o Espírito colhe os frutos do progresso realizado pelo trabalho da encarnação; é também nesse estado que se prepara para novas lutas e toma as resoluções que há de pôr em prática na sua volta à Humanidade”. (reencarnação). O Céu e o Inferno- item 10.

NOTA: ESE (Evangelho Segundo o Espiritismo); LE (O Livro dos Espíritos)